Os ODSs e a construção de uma gestão pública sustentável

Os ODSs e a construção de uma gestão pública sustentável

As novas tecnologias têm acelerado as transformações socioeconômicas, culturais e ambientais, intensificando relações comerciais e diplomáticas. Nesse ritmo intenso de crescimento, os desafios e as dificuldades também ganham corpo de forma mais rápida e assustadora.

Afinal, como conciliar o desenvolvimento econômico com a sustentabilidade ambiental, a democracia e a justiça social? É possível construir uma gestão transparente, sólida e coerente com esses três importantes pilares?

Para a ONU – Organização das Nações Unidas – é sim!

O que se espera do Mundo para 2030

Em 2015, na Assembleia Geral das Nações Unidas, 193 Estados-membros, incluindo o Brasil, definiram 17 objetivos em prol do desenvolvimento sustentável do planeta, os chamados ODS. A meta é que até 2030 seja possível eliminar a fome e a pobreza extrema, oferecer educação de qualidade para todos, adotar medidas de proteção ao planeta e promover sociedades pacíficas e inclusivas.

Mas para que os 17 objetivos saiam realmente do papel, é necessário realizar uma ação conjunta entre os as gestões públicas e as organizações privadas e, principalmente, uma articulação entre os governos municipais, estaduais e federal.

Assim, não dá para falar de ODS sem nos referir ao peso que os gestores municipais têm nesse processo. É necessário que eles incluam tais objetivos em suas pautas e executem projetos diretamente ligados a eles.

Os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

De modo geral, podemos compreender os 17 ODSs como medidas necessárias para garantir a proteção dos oceanos e ecossistemas, favorecer a criação de cidades sustentáveis, investindo-se em energia e infraestrutura, e a garantia de direitos de crianças e adolescentes.

Conheça cada um deles:

  1. Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares
  2. Erradicar a fome, alcançar a segurança alimentar, melhorar a nutrição e promover a agricultura sustentável
  3. Assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todas e todos, em todas as idades
  4. Garantir o acesso à educação inclusiva, de qualidade e equitativa, e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos
  5. Alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas
  6. Garantir a disponibilidade e a gestão sustentável da água potável e do saneamento para todos
  7. Garantir o acesso a fontes de energia fiáveis, sustentáveis e modernas para todos
  8. Promover o crescimento econômico inclusivo e sustentável, o emprego pleno e produtivo e o trabalho digno para todos
  9. Construir infraestruturas resilientes, promover a industrialização inclusiva e sustentável e fomentar a inovação
  10. Reduzir as desigualdades no interior dos países e entre países
  11. Tornar as cidades e comunidades mais inclusivas, seguras, resilientes e sustentáveis
  12. Garantir padrões de consumo e de produção sustentáveis
  13. Adotar medidas urgentes para combater as alterações climáticas e os seus impactos
  14. Conservar e usar de forma sustentável os oceanos, mares e os recursos marinhos para o desenvolvimento sustentável
  15. Proteger, restaurar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, gerir de forma sustentável as florestas, combater a desertificação, travar e reverter a degradação dos solos e travar a perda da biodiversidade
  16. Promover sociedades pacíficas e inclusivas para o desenvolvimento sustentável, proporcionar o acesso à justiça para todos e construir instituições eficazes, responsáveis e inclusivas a todos os níveis
  17. Reforçar os meios de implementação e revitalizar a parceria global para o desenvolvimento sustentável

A importância da gestão pública para a implantação das ODSs

O Brasil é hoje o país mais urbanizado da América Latina com cerca de 85% de sua população vivendo nas cidades. O rápido crescimento urbano criou desafios de infraestrutura e recursos naturais de proporções gigantescas para os gestores públicos.

Entendendo as dificuldades de cada região e a fim de dar maior autonomia aos municípios, a Constituição Federal de 1988 instituiu um processo de descentralização das políticas públicas. Dessa forma, as prefeituras passaram a ser responsáveis pelo enfrentamento dos principais problemas das suas cidades como a desigualdade social, a violência, a falta de saneamento básico e a mobilidade urbana, por exemplo.

Analisando sobre esta ótica, é essencial, então, que os gestores públicos sejam capazes não só de seguir os objetivos para o desenvolvimento sustentável estabelecido pela ONU, mas entender como eles podem ser aplicados no dia a dia dos projetos das prefeituras.

Assim, se o gestor não tiver um olhar sistêmico para o seu município, certamente ficará aquém de atingir as metas estabelecidas, o que implicará diretamente na qualidade de sua gestão e no progresso do todo em prol de 2030.

Os impactos do acompanhamento de ações estratégicas

É impossível falar em progresso e não mencionar a necessidade de uma articulação de projetos. Sem um planejamento que atue de forma multidisciplinar no setor econômico, cultural, social e ecológico, por exemplo, será improvável que se obtenham os resultados esperados.

O gestor municipal deve basear suas ações em uma abordagem sistêmica, transparente e participativa. Nesse sentido, alguns gestores, como o atual prefeito de Petrolina vêm conseguindo resultados concretos com o uso de um software de gestão, o Target.

Por meio da plataforma, é possível alinhar projetos sob uma visão de curto, médio e longo prazos, integrando diferentes setores e permitindo o acompanhamento real de cada etapa e atividade.

Desse modo, por meio do Dashboard de ODSs, é possível acompanhar em quanto os projetos estratégicos em andamento impactam em cada uma das metas estabelecidas pela ONU para o crescimento sustentável. Fazendo assim que a organização em posse da ferramenta tenha mais possibilidades de atingir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Os 17 ODSs da ONU são ambiciosos, mas gestores públicos comprometidos podem, com o auxílio das ferramentas corretas, conquistar pouco a pouco cada uma das metas estipuladas para a sua gestão.

Saiba mais como o Target pode ajudar o seu município a integrar transparência, democracia e desenvolvimento sustentável durante a sua gestão e alcance mais objetivos em menos tempo e com menos recursos do que os gestores que não usam o Target. Faça um teste! Converse com a nossa equipe!

Compartilhe este post